A escola do amor

Há duas semanas atrás Chris e eu decidimos embarcar numa jornada de cinco dias: a nossa primeira "Love School" - Escola do Amor. 

Pegamos nossas mochilas, saco de dormir, rede, duas trocas de roupa, um pouco de comida e lá fomos nós. Foram cinco dias de trilha pelos Alpes, começando na Áustria, cruzando Liechtenstein, e terminando na Suíça. Mas dessa vez o motivo não foi lazer, esporte, amigos ou a cerveja do fim do dia, e sim as conversas e momentos que tivemos para falar sobre o tema que mais nos move: (nosso) amor. 

A Love School foi com certeza a experiência mais intensa que já vivemos como casal. Admito que foi necessária muita coragem, verdade, atitute, diálogo e maturidade para que pudessemos trabalhar o que há de mais importante nessa vida, o amor incondicional. 

Amor incondicional pode parecer algo utópico para alguns, romantico demais para outros, mas para nós é o que queremos não apenas atingir, mas praticar todos os dias. Afinal, quando queremos algo, é por que não temos agora e buscamos alcançar lá na frente, mas já que a única coisa que existe é o presente, e dado que esse amor incondicional já mora dentro de nós, basta praticar todos os dias, todos os instantes, e assim viver hoje o que buscamos para o nosso destino. 

Amor incondicional nada mais é que querer genuinamente a felicidade do outro, sem esperar nada de volta, sem exigir que essa pessoa também te faça feliz. É querer ver a pessoa que você ama voar bem alto - mesmo que isso signifique não estar com você. É ter um espaço constante para a verdade, é abrir mão da posse, do ciúmes, do orgulho. Amar incondicionalmente é se desenvolver como indivíduo da forma mais poderosa que existe, é poder viver a experiência de estarmos vivos no seu maior potencial e transformar não só a si mesmo, mas todo o seu redor. Amar incondicionalmente é ultrapassar qualquer crença ou padrão que nos diz como devemos agir, pensar e até mesmo sentir, aprendendo a transitar do medo para o amor sempre que necessário. É simplesmente viver com coerência, abraçando o ser livre e cheio de amor que somos na nossa forma mais pura, assim como viemos para essa Terra.

É claro que Chris e eu ainda estamos longe de atingir tudo isso. Mas como eu já disse, o que importa na real é querer e praticar todos os dias, sabendo que nós vamos cair nas ilusões das nossas crenças de novo - é inevitável - mas que cada vez mais estaremos vivendo pelo amor, e não pelo medo. E a boa notícia é: esta é apenas uma escolha. 

Nós escolhemos, durante aqueles cinco dias de trilha, ser radicalmente honestos um com o outro. Essa escolha não é fácil, muitas vezes traz dor, uma flecha certeira direto ao nosso ego, mas acredite: é LIBERTADOR. Nós escolhemos olhar para as nossas sombras, e com sabedoria, humildade e empatia, buscar iluminá-las. Ali, nós escolhemos o amor a todos os instantes ao invés do medo, e mesmo que o medo tomasse conta (o que tomou em diversos momentos), nós sabíamos que aquela trilha ia nos levar de volta para o amor. Aquela era uma trilha em direção  a uma versão melhor de nós mesmos, uma trilha em direção a uma vida mais plena, e passar pelo medo faz parte do aprendizado, sempre nos lembrando que não é esse o lugar que queremos estar.

Como você pode imaginar, foram cinco dias de muita conversa e silêncio, muitas lágrimas e sorrisos, alívio e dor, feminino e masculino, dúvidas e certezas. Tivemos gritos de raiva, toques de apoio, beijos de êxtase. Fizemos fogueira, fizemos colares de pedra, fizemos música, fizemos amor. Suamos, suamos muito. Subimos quase 2.000m nas montanhas, descemos nas profundezas dos nosso coração, expressamos toda a superficialidade e perspicácia de nosso ego, mas sempre, absolutamente sempre, quem venceu foi o amor. 

Nossa Love School foi também como uma música que estava em perfeita afinação com a natureza. Nos momentos mais difíceis, a Mãe Terra nos presenteou com tempestades, trovões e com as subidas mais íngremes em que o suor era mais intenso que o fluxo das lágrimas. Quando a dor passou, ganhamos de presente um lindo arco-íris, trazendo ainda mais cores para nossos corações. E de bônus, tivemos um encontro a 2.300m de altura com 19 capricórnios - símbolo de força e paz interior, nos trazendo a certeza de que estávamos no caminho certo. 

Acredito fielmente que relacionamentos amorosos são uma das maiores escolas de auto-conhecimento e evolução da nossa consciência que podemos nos proporcionar nessa vida. Mas para isso é preciso querer ir além. Afinal, se queremos mudar algo nesse mundo - e principalmente, em nós mesmos - basta praticarmos a partir da maior força transgressora que existe: o amor. 

Essa foi a primeira edição da nossa Love School. Faremos uma por ano, além de, claro, todos os instantes diários da Escola do Amor que escolhemos viver e praticar. Não só entre nós dois, mas com cada ser humano ao nosso redor, e principalmente com nós mesmos. Não precisa se meter no mato e subir as montanhas pra falar de amor, essa escola é muito mais simples do que parece. Mas só há transformação quando há ação, e se você também quer viver pelo amor incondicional, te convido a ousar e agir.

Comecemos agora. <3