O amor em forma de arte

[ENGLISH BELOW]

Eu sempre acreditei no amor como a base de tudo. 

Nos últimos 5 dias resignifiquei o amor, que mesmo já sendo tão forte e presente na minha vida, vi que ainda tem muito, muito mais pra viver e sentir. Consegui entender as experiências de puro amor que tive nos últimos 2 meses, fruto de uma entrega que começou há 3 anos, e de uma vida que se iniciou há 26. Lindo perceber isso, lindo ver que eu nunca imaginei estar aqui agora, falando de amor, trabalhando com amor, e sentindo tanta coisa.

Quando eu digo que o amor é a base de tudo, não é apenas ter consciência que somos fruto do amor, ou querer amar e ser amado. É também conseguir enxergar que a única coisa que realmente nos conecta como HUMANIDADE é (pasmem): o amor.

Só pra lembrar (às vezes é bom, por que vira e mexe esquecemos deste ponto), quando eu digo humanidade, é realmente TODOS nós: homem, mulher, branco, preto, amarelo, gay, artista, empresário, lixeiro, assassino, político, ladrão, mendigo, padre, você, eu. Ao contrário do que a gente vê por aí, da raiva, dos muros, das guerras, do ciúmes, da posse, e de todos os conflitos de poder, o amor nos conecta, não nos separa.

O mundo tem me mostrado tanta coisa maravilhosa, que de um dia pro outro tudo que eu acreditava que era o amor se expandiu para um outro nível, como se numa outra dimensão eu pudesse entender que de nada sei, e que isso é o que basta. E por mais filosófico que isso pareça, é real, e existe em cada um de nós. 

Sentir esse amor incondicional por mim, pelo outro e pela humanidade, está me dizendo uma coisa, e é disso que eu vim falar aqui: ESPERANÇA. Pois é quando o coração expande de tal forma, e a conexão com o outro transborda o plano físico e material, que eu penso: "uau, imagina o que ainda é possível". Imagina o potencial do ser humano e do mundo, se todos nós pudessemos sentir isso, e mesmo que às vezes a gente não sinta (quando somos tomados pelo medo, posse, poder, entrando em guerra com nós mesmos e com o outro) que a gente saiba como voltar para o amor. IMAGINA SÓ! 

E aqui, com a certeza de que é o amor que me conecta a você, compartilho uma das formas que escolhi para nunca mais esquecer desse poder enquanto eu habitar esse mundo no meu corpo! E lá fui eu fazer uma nova tatuagem. :)

Já tenho algumas, gosto mesmo da arte de se tatuar, mas essa é diferente. Nasceu da flor de maracujá, que conheci no Panamá - em um dos lugares que Deus (seja lá quem é isso, mas que pra mim também é o amor) me mostrou mais uma vez o que é amar. Da flor de maracujá - linda, magestosa, poderosa, nasceu a vontade de transformar esse sentimento sobre o amor em algo que fosse único, geométrico, sagrado, eterno, como uma mandala. 

 Desenho por Julia Montanari

Desenho por Julia Montanari

 

Algumas pessoas que viveram esse amor comigo lá no Panamá, do ladinho da flor de maracujá, já estão fazendo a tatuagem. E a proposta é que qualquer um possa ter esse desenho, seja na forma de tatuagem, ou num quadro, um carimbo, uma imagem que carregamos no coração, o que você quiser. 

Que isso seja sempre uma lembrança que o amor verdadeiro e incondicional é o que vai curar o mundo, acabar com as guerras, derrubar os muros. Mas que isso comece dentro de nós, e se expanda nesse amor que nos conecta, eu com você, você com o outro, o outro com outros, e o os outros com o todo. 

E se um dia cruzarmos com alguém que tenha essa tatuagem, vamos nos lembrar que essa pessoa conhece alguém, que conhece alguem, que nos ama. 

 

Ps: quem quiser fazer a tatuagem, me conta! E manda foto! :) Estou registrando aqui. A lista de pessoas está crescendo cada vez mais! Mas por enquanto somos 3, em diferentes cantos do mundo.

-----

LOVE AS A FORM OF ART 

I always believed in love as foundation for everything.

I have reassigned what I understood by love in the past five days. Even though it’s so strongly present in my life, I was able to see and experience something that made me believe there is more, much more. I was able to understand my own pure love experiences I had in the past two months, consequences of a relationship of total openness that started three years ago, and a lifetime of 26 years.

And it’s amazing to see this happening. Amazing to realize I never imagined I could be exactly where I am – talking about love, working with love and feeling it so much.

When I say love is the foundation for everything, it isn’t only about bringing consciousness that we are its harvest, or to love and be loved. It is also to be able to see that the only thing that really connects us as a HUMANITY is (chokingly): love.

Just to make it clear (as we have a bad habit of forgetting it), when I say humanity, I am talking about ALL of us: men, women, white, black, yellow, homosexual, artist, businessman, garbage man, killers, politicians, thief, homeless, priest, you, me. Opposed to what we are used to see around us – all the anger, barriers, wars, jealously, ownership and power conflicts, love creates connections, not separation.

The universe has been showing me so many wonderful things that from one minute to another, everything I understood as love expanded to another level, as if I could comprehend – in a different dimension, that I know close to nothing about it, but it is all that matters. And as philosophical as this may sound, it is real, and lays inside of each and everyone of us.

To feel this unconditional love towards myself, you and humanity, tells me something else. And its about this something else I came here today to write this text: HOPE.

When the heart expands in an inexplicable way, and there is a connection with another self that overflows the physical and material dimension, I think to myself: “Wow, imagine what’s still possible”. Imagine what the human being and the universe could do if we could all feel this, and even if there are times we cannot feel it (when we are taken by fear, power, ownership, fighting with others and ourselves), but we would know how to go back to that place. IMAGINE!

And standing here, with the certainty that it is love that connects me with you, I share one of the many forms I choose to never – ever forget about its power until I am here, in this body! So there I went to do one more tattoo :)

I already have a few of those. I really have a thing with the art of tattoos. But this one is different. It came to life through the passion fruit flower, that I first ‘met’ in Panama – one of the places God (whatever/whomever it is, but it is also the definition of love to me) showed me one more time the meaning of love. From the passion fruit flower – amazing, majestic and powerful, was born the desire to transform this feeling in something unique, geometric, sacred, eternal, like a mandala.

A few of those whom lived and experienced this love with me in Panama – side by side with the passion fruit flower, already have this tattoo. And the idea is to share this drawing so anyone can carry it in any form: tattoo, painting, marker, an image we take in our hearts, anything you want.

Hoping that this could become a reminder that the true and unconditional love will heal the world, end wars, put down walls. However, this starts with ourselves, expanding this love that connects us – me with you, you with others, others with others, and others with all of us.

And if one day we come across with someone with this tattoo, we will know that this someone knows someone, that knows someone, that loves us – and we love back.

p.s.: if someone wants to do this tattoo, please let me know! And share pictures :) The list is only growing! By now we are three, in each corner of the world.

 

Translation: Silvia Prada