O dia que superei meu medo

Medo: um dos sentimentos mais primitivos do ser humano.

Inicialmente veio como forma de sobrevivência, nos tornando fisicamente mais fortes e nos fazendo agir quando tínhamos que caçar e fugir de animais selvagens diariamente. Com o passar do tempo, da evolução do nosso cérebro e das sociedades modernas, posso dizer que boa parte do medo que hoje conhecemos não existe mais para a nossa sobrevivência, e sim o contrário, para nos congelar, paralisar e separar.

Mais de 80% dos pensamentos humanos da atualidade são negativos e vêm deste tal de medo. O medo de não ser suficiente, o medo de fracassar, o medo de machucar alguém, o medo de ser autêntico, o medo de arriscar, o medo de subir no palco, o medo de contar que amo ele/a, o medo de rirem de mim, o medo de eu não ganhar dinheiro, o medo de morrer. Tudo isso causa, logicamente, aquele monte de sentimentos ruins que estamos cansados de ver, da depressão e ansiedade, ao ciúmes ou violência. 

E claro, quanto mais pensamos de forma negativa, mais falamos coisas negativas, temos atitudes negativas, e, consequentemente, (isso não é esoterismo ou "coisa de hippie", apenas lógica), nossa vida será negativa. Nossa vida será escrava das ilusões do medo.

Foi nessa lógica, então, que eu escolhi não viver do medo, não ser uma pessoa negativa e ser a criadora de uma vida repleta de amor e Luz.

Essa escolha eu faço todos os dias, a cada instante, afinal, não existe toque de mágica. É ÓBVIO que muitas vezes me sinto insegura, vem aquele pensamento horrível de que eu não sei fazer nada bem, começo a acreditar na escassez do nada, acordo deprimida, sinto raiva de mim, de você e do mundo. Um monte de coisa que eu não quero sentir, mas sinto por que sou humana. Aí é uma decisão minha se sentir tudo isso vai me afastar ou me aproximar da vida que busco pra mim, afinal, existe algo que é a cura, e que mora em cada um de nós: o amor.

Aliás, medo e amor é quase a mesma coisa, sabia disso? A diferença é que o medo te encolhe, e o amor te expande. 

Acredito fielmente que a única forma de irmos além como sociedade, de mudarmos algo nesse mundão lindo e de sermos genuinamente feliz, é vivendo pelo AMOR, e não pelo medo. 

O medo vai vir, o tempo todo, assim como o amor. Mas o medo é folgado, vem sem bater na porta e já vai tomando conta de tudo. E como já dizia Saint-Exupery, "O essencial é invisível aos olhos". Acho que ele estava falando do amor, que está em todos os cantos, mas a gente precisa tirar as lentes da ilusão pra enxergá-lo em sua potência e pureza, e aí abrir as portas, janelas e tudo mais pra ele entrar. 

É possível praticar este novo olhar que nos ajuda a transitar do medo para o amor e gerar movimento transgressor para si e para o mundo. 

E eu, buscando esta prática, resolvi superar alguns medos e lançar meu curso. 

Advinha sobre o que:

Medo. E amor. E movimento.

Foram muitos os medos que a minha mente criou e que hoje compartilho com vocês: o medo de ninguém aparecer no dia, de não gostarem de mim ou da metodologia, de algo dar errado, de eu fracassar, de eu sair no prejuízo... Tudo isso em forma de histórias que minha mente me contava e que eu - bobona - acreditei inúmeras vezes.

Mas aí cansei desse papel de vítima e resolvi agir, por que assim como eu tenho medo, eu também tenho muito amor. Assim como vinha estudando sobre o medo, vinha estudando sobre o amor, praticando o amor incondicional e buscando viver mais alinhada e coerente com a minha essência. 

E neste simples ato, o mesmo medo que me encolhia, virou amor que me expandiu e transbordou em forma de M.A.R. - meu novo workshop e primeiro filho. Me mandei de São Paulo e vim morar perto do mar, procurei espaços legais para dar o curso, fui fazendo parcerias, organizei tudo para que o lançamento fosse possível, escrevi meu site em português, criei os eventos no facebook, chamei a galera... E PUFF: todos aqueles medos se dissolveram. 

É claro que outros medos agora aparecem. Mas tudo bem, pois isso me dá a certeza de que estou viva, e assim, a cada passo que dou com todo o amor que há em mim e que tenho pelo meu trabalho, mais e mais medos vão se tornando sementinhas de amor em forma de atitudes, de projetos, textos, cursos... e uma dessas sementes é o M.A.R. - medo, amor, revolução

Um workshop muito especial para mim, que une todo o meu amor pelo mar, pelo ser humano e seu potencial infinito de criação, para que possamos entender e praticar como identificar o medo e agir com mais amor, como indivíduos e humanidade.

Para sair ainda mais da minha zona de conforto, já resolvi começar com três workshops em cidades diferentes: Rio de Janeiro dia 20 de novembro, São Paulo dia 27 de novembro e Fortaleza dia 10 de dezembro.

Vem que vai ser lindo.

Para saber mais sobre o workshop, clique aqui

<3